Mulher é expulsa de parque nos EUA por causa do tamanho dos calções

No passado dia 30 de abril, a norte-americana Bailey Breedlove estava a passear com a família no parque Frontier City, em Oklahoma, nos EUA, quando foi abordada por um polícia devido ao tamanho dos seus calções.

Bailey conta que inicialmente o segurança gritou com a sua filha após a menina ter rolado por uma colina do parque. Pouco depois começou a seguir as duas: “Ele agarrou o meu ombro e começou a dizer que os meus calções eram muito curtos”, escreveu a mulher.

“Não cometi nenhum crime e comecei a andar até ao meu namorado porque sou autista e tenho dificuldade em falar com os polícias. Ele seguiu-me gritando e pedindo reforços. Então, o seu superior incompetente apareceu e começou a envergonhar-me. Disseram-me que precisava de comprar uns calções novos” relatou a mulher.

Bailey diz que chegou a concordar em comprar uns calções novos após ser ameaçada de “invasão criminosa”, mas acabou por ser escoltada para fora do parque com a família.

“Aceitando isso, estávamos prestes a sair e fomos impedidos por uma agente da polícia. Ela puxou as algemas e exigiu a minha identidade. Quando perguntamos a causa provável, a sua resposta foi ‘porque sou polícia'”, escreveu no Facebook. A mulher contou ainda que não chegou a ser presa ou algemada, mas foi proibida de visitar o parque nos próximos 5 anos.

Bailey classificou a experiência como “traumatizante”: “Eu estava com medo de ir para a cadeia por causa de uns calções”, disse a mãe da menina de 11 anos no seu relato no Facebook.

A Six Flags, empresa responsável pelo parque, numa nota ao jornal New York Post, comentou o incidente dizendo que a visitante “foi inicialmente abordada porque os seus calções expuseram uma parte significativa de suas nádegas”, referindo que a visitante foi retirada do parque não pelo tamanho dos calções, mas “por causa de seu comportamento em relação à polícia, aos membros da nossa equipa e a outros visitantes do parque”.

Entretanto Bailey revelou que procurou um advogado: “O departamento de polícia de Oklahoma foi contactado, bem como um advogado. Não voltarei a nenhum dos seus parques se é assim que vocês tratam as mulheres, cidadãos e visitantes cumpridores da lei. Não vou deixar isso passar porque estamos em 2021”, desabafou.

COMENTÁRIOS

RELACIONADOS