Morreu o cão que velou o túmulo do dono durante mais de dez anos
22/02/2018

Miguel Guzmán morreu em março de 2006 e desde então, às 18h00, todos os dias, numa espécie de ritual, o seu fiel amigo de quatro patas, Capitán, visitava o seu túmulo em Villa Carlos Paz, na Córdoba, Argentina.

Quando Miguel morreu, o animal desapareceu de casa. A família pensou que o cão tinha morrido ou sido atropelado, até que um dia o encontraram no cemitério a dormir em cima do túmulo de Miguel, conta a imprensa local.

Infelizmente, Capitán, com 16 anos, morreu este mês junto à casa de banho do cemitério. O animal sofria de insuficiência renal devido à avançada idade e precisava de cuidados médicos diários.

"Nunca vi uma coisa assim", revelou Marta Clot, a florista do cemitério. Nos últimos tempos era esta quem alimentava o animal e lhe dava a medicação necessária para se manter saudável. Nos últimos dias, tem surgido várias iniciativas para que Capitán seja agora enterrado ao lado do dono no Cemitério Municipal.

Tendo em conta que o cão viveu grande parte da sua vida no cemitério, várias pessoas já pediram à autarquia de Cordoba para que os restos mortais do animal sejam depositados junto ao túmulo do dono.